Notice: Undefined property: stdClass::$share in /home/priscil4/public_html/tocalola.com.br/wp-content/themes/tocalola/inc/functions/nexo-likes-facebook.php on line 5

Notice: Trying to get property of non-object in /home/priscil4/public_html/tocalola.com.br/wp-content/themes/tocalola/inc/functions/nexo-likes-facebook.php on line 5
facebook instagram twitter youtube youtube
Notice: Undefined index: feed in /home/priscil4/public_html/tocalola.com.br/wp-content/themes/tocalola/header.php on line 88
21 setembro 2018

Montessori para bebês: Móbiles – 0 a 12 semanas- Série Estímulo Visual

Ambiente Montessoriano | Criando a sua Toca | Método Montessori | Quarto Montessoriano

Eu não conhecia os móbiles montessorianos quando minha primeira filha Lorena  nasceu. Aliás, só começamos a aplicar as práticas montessorianas aos 8 meses, quando ela entrou para o Nido (o berçário da escola montessoriana). Assim, quando comecei a estudar o método, no fundo, eu ainda me questionava sobre a real importância dos estímulos para bebês tão pequenos.

Lendo “Montessori from the Start” logo constatei que o método poderia (e deveria!) ser aplicado sim desde o nascimento. E, para isso, os móbiles montessorianos teriam um importante papel no estímulo sensorial ao bebê durante as 12 primeiras semanas.

E foi assim que, quando engravidei pela segunda vez, decidi testar e registrar o uso dos materiais montessorianos com minha filha Antonella desde o seu nascimento. Quem nos acompanha no Instagram – aliás, você já nos segue por ? – sabe que tem sido uma experiência IN-CRÍ-VEL!

Assim, no post de hoje, aproveito para fazer uma breve retrospectiva com vocês dessas 12 primeiras semanas do desenvolvimento infantil e, como prometido, ainda falar sobre o uso de cada um dos móbiles montessorianos para bebês. Confiram!

mobiles-montessorianos-bebe

Sim, eu sei que ando sumida do blog, mas juro que foi por uma ótima causa! Decidi que só começaria a escrever este texto após ter realmente vivenciado essa experiência das 12 semanas iniciais. Decidi mergulhar fundo, de forma atenta a todas as reações da minha pequena.

Mais do que entender objetivamente o porquê das coisas, eu queria entender essa experiência de forma subjetiva, sob o olhar da minha pequena. Para isso, eu desejava observar não só o que ela estava fazendo, mas o que ela estava sentindo a cada novo estímulo dado em cada etapa dessas primeira fase do seu desenvolvimento.

Assim, apresento a seguir um breve resumo de tudo o que aprendi sobre a aplicação do método nessas 12 primeiras semanas.

1. Montesori from the Start – The Child at Home, from Birth to Age Three

Ainda grávida, ao ler “Montesori Desde o Início- A criança em casa dos 0 a 3 anos” –tradução livre pois o livro ainda não possui versão em português- entendi que a concentração da criança é o elemento central da teoria educacional montessoriana.

Crianças em ambientes Montessori, qualquer que seja sua idade, concentram-se profundamente e são intensamente focadas porque cada material oferece níveis progressivos de dificuldade, garantindo assim que a criança se mantenha sempre interessada por ter sempre o nível certo de desafio.

E é a partir desse ” jogo” equilibrado que se constrói o ambiente preparado, capaz de proporcionar o real interesse das crianças. Aí está o segredo da natural concentração. e da calma dos pequenos em um ambiente montessori.

Para alcançar a concentração natural, portanto, a tarefa para a criança (e para o bebê) precisa ter a quantidade certa de desafio: nem tão fácil, nem tão difícil.

Mas qual seria o desafio adequado para os bebês nas primeiras semanas de vida?

Nos primeiros meses, um móbile simples sobre um colchão no chão é o suficiente para  ajudar o bebê a desenvolver as habilidades necessárias para explorar o mundo visualmente.

Gradualmente, ele vai desenvolvendo o foco em um objeto em movimento, e, aos poucos, alcança a percepção de cor e de profundidade.

O objetivo, portanto, é construir um ambiente de engajamento para o bebê, que mantenha um bom equilíbrio entre desafio e aconchego.

Aliás, esse é outro ponto importante para o quarto montessoriano dos bebês: ele precisa ter uma atmosfera de calma e simples, sem muita informação.

Dessa forma, em um espaço calmante e bonito em sua simplicidade, o bebê conseguirá se concentrar no foco de sua atenção; no caso, o móbile.

Sei que pode parecer frustrante, mas a ideia é que o bebê consiga se desenvolver sem a sua ajuda. Nada de ficar batendo palminhas, rindo, cantando ou dizendo palavras de incentivo. O bebê não precisa de nada disso. Acredite: mesmo nas primeiras semanas, com um ambiente preparado, o bebê já é capaz de começar sozinho a trilhar o seu próprio auto-desenvolvimento.

Você pode até acompanhar de longe, mas não deve interferir durante o tempo em que o bebê está concentrado explorando o ambiente. Esse tempo sozinho em profundo envolvimento e concentração costuma ir aumentando gradualmente. No começo, pode durar apenas alguns minutos e ir aumentando até chegar em várias horas, quando ele estiver maior.

No começo, minha filha Antonella ficava apenas uns 5 minutos. Hoje, com 17 semanas ela costuma ficar cerca de trinta, quarenta minutos brincando sozinha. Eu fico olhando de longe e, de repente, ela acaba adormecendo sozinha-como vocês já devem ter acompanhado no instagram, né?

Mas então, vamos então direto ao ponto! Com vocês, os móbiles:

Móbiles Montessorianos

O bebê passa a maior parte do tempo deitado de costas, olhando para cima. Assim, um móbile pendurado no teto ou em outro suporte é visualmente atraente e  permite que ele pratique o foco e siga o movimento lento de seus objetos atraentes.

Como vocês viram aqui, ao nascer, o recém nascido só enxerga vultos. O desenvolvimento da visão é algo muito complexo e um recém-nascido precisa desenvolver a habilidade de entender e enxergar o mundo ao seu redor.

No primeiro mês de vida, as primeiras imagens são em preto e branco. No segundo mês de vida, as cores começam a aparecer, e a primeira delas é o vermelho. A visão vai se aprimorando, mês a mês, até estar plena, aos 12 meses de vida.

Dessa forma, nas primeiras semanas, os móbiles ajudam o bebê a explorar o mundo visualmente. Assim, aos poucos, ele vai desenvolvendo suas capacidades visuais de foco em um objeto em movimento, além do rastreamento e da percepção de cor e  profundidade de um objeto. 

Os bebês evoluem rápido e os desafios a ele apresentados devem acompanhar essa evolução. Por isso, o móbile é trocado a cada duas semanas, a fim de apresentar novos desafios compatíveis com o desenvolvimento visual progressivo do bebê.

É essencial perceber que os móbiles apresentam ao bebê chaves específicas para entender um mundo novo de em forma e cor. Por isso, essa apresentação é gradual,  nada a ver com o bombardeio de estímulos para entretenimento que costumamos ver nos móbiles disponíveis no mercado.

Os móbiles montessorianos são peças cuidadosamente projetadas, mas, antes de tudo, são simples.

coracao-rosa.png.semfundo-41º – Móbile Munari (2 a 4 semanas)

Nas primeiras semanas, os olhos do recém nascido, ainda estão se adaptando ao mundo fora do útero. Os bebês enxergam em preto e branco e a visão ainda é turva. Por isso, no primeiro móbile temos formas simples e plana, com grande contraste.

montessori-mobile-munari-toca-lola

O Contraste é uma ferramenta importante para o desenvolvimento, pois proporciona ao bebê limites sensoriais que lhe permitem reconhecer as diferenças mais sutis, desenvolvendo  seus sentidos .

As formas dos desenhos foram concebidos para que os bebês primeiro percebam as formas mais retas e, posteriormente, as mais arredondadas.

Ele incentiva o foco e tempo de visualização ininterrupta ainda desenvolve a concentração.

Encontramos na literatura algumas indicações para o uso deste móbile desde o nascimento. Mas, por aqui, minha filha pareceu percebê-lo somente a partir da segunda semana – até porque na primeira semana eles só querem dormir, né gente?.

coracao-rosa.png.semfundo-42º – Móbile Octaedro (5 a 7 semanas)

mobile-montessori-octaedro-toca-lola

Por volta do segundo mês de vida os bebês começam a perceber as cores primárias, com destaque para o vermelho.

As três cores primárias fornecem limites que permitem uma maior organização mental.

Além das cores, este móbile traz ainda uma outra novidade: apresenta volumes tridimensionais .

coracao-rosa.png.semfundo-43º – Móbile Gobbi (8 a 10 semanas)

O terceiro Mobile é composto por 5 esferas com gradações da mesma cor – que vão do mais escuro ao mais claro.

mobile-montessori-gobbi

 Apresenta a gradação sutil de uma mesma cor, profundidade e proporção das bolas que estão dispostas em diferentes alturas, estimulando o refinamento do sentido.

Ele representa mais um passo no desenvolvimento do sentido visual da criança, já que o bebê pode agora perceber as variações sutis na cor.

coracao-rosa.png.semfundo-44º – Móbile dançarinos (10 a 12 semanas)

O quarto móbile é composto de quatro formas estilizadas, cada uma constituída por três elementos: a cabeça, braços e pernas.

mobile-montessori-dancarinos

As quatro formas representam dançarinos em posições diferentes e todos os elementos que compõem os bailarinos são independentes, possibilitando movimentos diferentes e intrigantes, mantendo a atenção dos bebês.

Os dançarinos feitos de papel holográfico tem a particularidade de ser incandescente e refletir a luz, sendo ainda mais atrativo aos pequenos. 

coracao-rosa.png.semfundo-4

É claro que esses períodos de uso não são fixos e você pode usá-los por mais tempo se assim desejar. O importante é que você observe o seu bebê. Ele dirá o tempo certo para trocar de móbile, acredite.

Por volta da 17ª semana, fase em que a minha filha se encontra atualmente, você perceberá que o bebê começará a querer agarrar os objetos com a mão, tendo início a uma nova fase : a dos móbiles táteis.

mobile-montessori-dancarinos-3

Nessa próxima fase, o bebê estará pronto para unificar a exploração tátil de objetos com exploração visual, um grande barato! Continuem acompanhando com a gente!

coracao-rosa.png.semfundo-4

E você, já conhecia os móbiles montessorianos?

Gostou do post? Deixe aqui seus comentários!

Ah! E marque aqui aqueles amigos que em breve terão um bebê vviendo esta fase.

Grande beijo!

Pri

PS: Os vídeos com o registro de cada um desses móbiles estão nos destaques do nosso Instagram. Se quiser conferir, basta clicar aqui.

7 Comentários

  1. Fernanda de Andrade • em 21 de novembro 2018

    Oi Priscila, adorei o texto, bem esclarecedor!! Adorando o conteúdo do blog. Beijão!!

  2. Fabiana • em 30 de novembro 2018

    Os móbiles foram comprados (se sim aonde?) Ou foi por Diy?

  3. Edsel • em 27 de junho 2019

    Meu bebê está na 8 semana adquiri os móbiles montessorianos..amei!!
    Nesse momento sinto falta de outros brinquedos..pra qdo esta na cadeirinha ou mesmo no trocador.
    Quais outros brinquedos podem ser usados?

    • Priscila Guerreiro • em 18 de julho 2019

      Sugiro que antecipe os elementos da segunda fase e os prenda com elástico no carrinho. Assim, ela vai se divertit bastante, pode confiar! Segue o posto:”>https://www.tocalola.com.br/montessori-para-bebes-de-3-a-6-meses/

  4. tassia • em 11 de junho 2020

    Olá, vc possui o livro em pdf para compartilhar? procurei na internet e não achei! parabéns pelo blog.

    • Priscila Guerreiro • em 17 de junho 2020

      Infelizmente, não possuo o livro em pdf para compartilhar. Mas você o encontra fácil na Amazon. 😉 Bj, Pri

Deixe seu comentário!

           

Método Montessori

Receba conteúdos sobre o método Montessoriano e como criar filhos plenos, criativos e autoconfiantes.