23 outubro 2018

Chile com crianças! – relato de nossa viagem em família- Parte 1

Lifestyle | Na Toca com a Lola | Passeios e viagens com crianças

O Chile já estava no meu radar de viagens em família há algum tempo. Eu já conhecia Santiago e sabia que era uma cidade segura, moderna, muito organizada, com ótima comida e com boas opções de lazer para os pequenos. Além do mais, a cidade fica relativamente perto do Rio, o que a tornava um destino perfeito para uma curta viagem com crianças.

Por isso, quando decidimos que precisávamos tirar uns dias off, o Chile nos pareceu o destino ideal. Certeza da felicidade!:) Como viajaríamos com um bebê de quatro meses e uma criança de quatro anos, a ideia inicial era ficar 10 dias quietinhos descansando em Santiago.

Mas a gente vai se empolgando, …pesquisa vai, pesquisa vem… e você sabe como é, né? No fim, a rota traçada foi Santiago- Termas de Chillán- Pucón- Rota do Vinho e Santiago. Tudo isso “on the road” com as pequenas!

Haja coragem! Haja planejamento! Haja disposição! E haja história para contar! 🙂

chile-criancas-viagem-familia-rota-do-vinho

Eu amo viajar- como vocês sabem, né?-  mas acho que dessa vez, eu me superei! 🙂 Muita história para contar! Por isso, te convido a pegar a sua xícara de chá (ou sua taça de vinho, para combinar com o destino!:)) e a embarcar com a gente nessa viagem!

Espero que curtam tanto quanto a gente! Foi demais!

Este é o primeiro post da série de relatos sobre nossa viagem em família ao Chile. Nele,  conto como foi o planejamento do roteiro e aproveito para responder as principais dúvidas que vocês me enviaram lá no Instagram durante a viagem.

Para facilitar, este post será um pouco diferente, em formato de perguntas e respostas, combinado?

coracao-rosa.png.semfundo-41. Por que decidiu viajar para o exterior com um bebê de 4 meses

Essa foi de longe a pergunta que mais recebi. Como contei no Insta, sempre que eu viajava para o exterior (em especial, para a Europa) , ficava impressionada com a quantidade de casais viajando com bebês em seus “cangurus”.

Como eles tinham coragem de sair com crianças tão pequenas (e naquele frio!)? Mas o mais impressionante mesmo é que todos, pais e filhos, sempre me pareciam muito calmos, em absoluto clima de harmonia e normalidade. Nada daquelas birras medonhas que costumamos ver por aqui. Como eles conseguiam?

Certa vez, conversando com um desses casais, eles me deram uma dica: se viajar faz parte do estilo de vida da sua família, comece o quanto antes para que os pequenos não estranhem a mudança de rotina. Isso ficou na minha cabeça na época…

Mas “começar o quanto antes” não precisava ser com quatro meses, não é? Sim, podíamos esperar um pouquinho mais… Mas, na realidade,  a nossa decisão de realizar esta viagem vai além de qualquer resposta racional: Senti que precisávamos desse tempo só nosso, conectados e desligados da nossa rotina.

chile-com-crianas-viagens-em-familias-toca-lola-2

Quem nos acompanha pelo Insta (aliás, você já nos segue ?), sabe que o último ano foi bem intenso para nós. Em doze meses mudamos de cidade (eu descobri que estava grávida fazendo a mudança!) , fizemos duas mudanças de casa.  Lola precisou de adaptar a uma nova rotina, a uma nova escola, a novos amigos. Meu marido e eu começamos novos trabalhos, nossa rotina ficou de ponta- cabeça.

Mudança de cidade, gestação, enxoval, parto, Antonella chegou!! Primeiro trimestre … muito cansaço… mas, ao mesmo tempo, muita alegria!

E foi assim que, passada toda essa fase de mudanças, senti que precisávamos passar uns dias realmente desligados de tudo ao redor.  Sem noticiário, sem política, sem telefonemas de trabalho; apenas vivenciando intensamente esses dias juntos.  Sabia que isso faria bem a todos nós.

Sim, nós merecíamos! Ok. Mas e a nossa bebê? Seria bom para ela?- eu me perguntava. 

Antonella é um bebê muito calmo, que nunca ficou doente e que já dorme a noite toda, o que me deu muita confiança. Mas é claro que, por mais otimista que seja, havia sim o receio de viajar com um bebê tão pequeno ( quem não tem?).

Procurei então a nossa querida pediatra Dra Katia Souto, em quem confio profundamente.  Ela examinou as minhas pequenas e, como elas estavam ótimas, receitou uma medicação básica de SOS caso precisássemos e nos desejou uma boa viagem! Liberados! Uhú!

E, assim, resolvemos encarar esse desafio. Fizemos um seguro saúde e confiamos que daria tudo certo. E deu! Graças a Deus! Amém!

Ah! Vai rolar post específico com dicas sobre como viajar com um bebê em breve, ok? 😉

coracao-rosa.png.semfundo-4

2. Por que você optou por uma viagem de carro por tantas cidades diferentes, com crianças tão pequenas

Se você chegou no blog há pouco tempo, recomendo que leia os posts anteriores sobre a deliciosa viagem que fizemos para Bariloche e arredores, em 2017, quando a Lorena tinha dois anos e meio: aqui, aqui e aquiObs: Juro vale muito a pena ler esses relatos. A viagem foi incrível e muito surpreendente! Paisagens inesquecíveis!

Naquela viagem, a ideia era ficar em Bariloche, realizar os passeios por agências e só alugar o carro por dois dias para curtir o caminho dos Sete Lagos, no caminho para San Martín de Los Andes. Mas gostamos tanto da experiência, que acabamos alterando o planejamento inicial e estendendo a viagem de carro por mais três dias. Assim, fomos até a cidade de Puerto Varas, no Chile, e, simplesmente, amamos!

Essa experiência maravilhosa realmente nos animou a viajar de carro com as pequenas. Mas é bom deixar claro que esse esquema, que funciona muito bem para a minha família, pode não funcionar tão bem para a sua. 

No nosso caso, posso elencar os 4 motivos pelos quais amamos viajar de carro com elas:

1- Meu marido ama dirigir, o que facilita muito!

2- Minhas filhas dormem fácil quando entram no carro e apagam profundamente; o sono dos anjos. Assim, sempre chegam super bem e descansadas no nosso destino.Uma beleza!

3- Com um carro, conseguimos levar tudo o que precisamos – quem tem crianças deve imaginar a sina! kkkk- e ainda conseguimos viajar no nosso ritmo, parando quando necessário, sem pressa.  

4- Nós amamos aquele esquema “on the road” de ir pela estrada curtindo músicas, vendo belas paisagens, conversando e parando com calma para um café de vez em quando. Realmente curtimos esse tipo de programa!chile-com-criancas-familia-estrada-rota-5

coracao-rosa.png.semfundo-4

3. Como foi feito o roteiro de viagem?

Como já contei, a ideia inicial era ficar só em Santiago mesmo. Uma viagem tranquila para um lugar relativamente perto e com uma ótima estrutura para famílias com crianças. Perfect!

Mas ninguém viaja para o exterior para ficar no hotel, não é mesmo? Então comecei a pesquisar os melhores passeios e a equação não fechava. Ou fechávamos aqueles passeios de agência (e a maioria saía às 7:00h e retornava às 19:00h. Aff!) ou alugávamos um carro.

A outra questão era o tempo: Início de outubro, no Chile, é uma época de temperaturas muito instáveis ( como realmente foi). Assim, o mais cômodo seria alugar um carro para ter mais conforto para viajar com as pequenas.

Ok. Alugaríamos um carro. Mas, ao fazer o roteiro, percebi que os passeios na cidade de Santiago eram muito perto de onde estávamos (um uber resolveria facilmente) e, os mais distantes, tinham outros empecilhos…  Como visitar uma vinícola dirigindo? E se houvesse gelo na pista para o Valle Nevado e Cajón del Maipo? PS: Meu marido não tem nenhuma experiência em dirigir em pistas com gelo e eu achei perigoso.

Enfim, a equação não fechava. Foi aí que lembrei da viagem para Bariloche e comecei a pesquisas destinos interessantes para passeios nos arredores de Santiago. E, assim, conversando com a querida Rosi, do blog “Nós no Chile”, recebi a sugestão de visitar Pucón: uma linda cidadezinha do sul do Chile, aos pés do vulcão Villarica.

E foi só fazer uma rápida pesquisa na internet para me apaixonar! As imagens são de tirar o fôlego.

chile-pucon-viagens-com-criancas-2 chile-pucon-viagens-com-criancas-dicas-2

Conversamos e decidimos: Pucón seria incluído no nosso roteiro. Mas ao pesquisar a distância, veio o susto: a cidade fica a 787 Km de Santiago!! Uau!

Como temos a estratégia de só rodar, no máximo, 450 km por dia, para não ficar muito cansativo, decidimos que deveríamos parar no meio do caminho. E foi aí que surgiu a linda Termas de Chillán em nosso roteiro.

santiago-chillan-pucon-2

E para fechar o nosso roteiro, no retorno para Santiago, decidimos abusar um pouquinho mais, dar uma esticada e conhecer o famoso Vale do Colchagua, onde fica a Rota do Vinho, em Santa Cruz.

Roteiro pronto! Tudo certo para começarmos a nossa viagem? 🙂

No próximo post, contaremos sobre os três primeiros dias de viagem: a nossa chegada em Santiago, nossos dias em Termas de Chillán e nossa ida para Pucón.

Ah! E Se gostaram do post, não se esqueçam de curtir, deixar os seus comentários

e indicar a leitura para os amigos!

Um grande beijo, Pri

coracao-rosa.png.semfundo-4

Deixe seu comentário!