27 outubro 2017

Como criar um quarto montessoriano seguro?

Ambiente Montessoriano | Método Montessori | Planejando o espaço

Como aumentar a segurança no quarto do bebê?  Como criar um quarto montessoriano seguro, em especial, quando o bebê começa a engatinhar, ganhando a autonomia da exploração do espaço? No post de hoje, respondo as dúvidas encaminhada pelas leitoras Beatriz e  Thatiana, e ainda te conto como resolvi a questão da segurança no primeiro quarto da Lola. Confira!

seguranca-do-bebe-em-casa-toca-lola

 

A Beatriz me escreveu assim:

“Eu estou louca para fazer o quarto da minha bebê assim, mas meu marido não aceita de jeito nenhum. Ele tem medo de acontecer alguma coisa, e ela se machucar enquanto não estamos de olho, ou dormindo. Infelizmente não consegui um bom argumento e também tenho medo de acontecer algo, então acho que vamos de berço normal mesmo, até ela crescer”

Já a Thatiana me escreveu assim:

Oi Priscila, estou grávida do primeiro filho, e eu e meu marido queremos um quarto montessoriano pro bebê, e desde cedo. Tenho uma dúvida em relação à porta do quarto, quando o bebê vai crescendo e engatinhando, você indicaria colocar aqueles portões de ferro na porta do quarto ou não?

grade_de_porta_seguranca-montessori-toca-lola

Entendendo a questão 

Bebês levam tudo à boca, então, qualquer moeda esquecida no chão pode virar um grande perigo para qualquer bebê em qualquer espaço; montessoriano ou não.

Assim, a premissa de um quarto montessoriano “ter um bebê livre e sem barreiras para explorar o espaço” é uma ideia incrível para alguns, mas realmente assustadora para outros. Afinal, com toda essa liberdade no espaço, como fica a questão da segurança?seguranca-do-bebe-em-casa-toca-lola-2Sim, é preciso cuidado redobrado da família, não só ao criar o espaço, como também em seu uso no dia–a-dia. Ter um bebê livre no ambiente pressupõe cuidados extras para que esse ambiente esteja seguro e livre de armadilhas.

Mas, para começar, é importante destacar dois aspectos muito positivos em um quarto montessoriano, com relação à segurança:

1º ) Não há risco de queda. Como tudo é baixo, não há risco de queda, minimizando assim uma das principais causas de bebês em UTI em decorrência de acidentes domésticos, como demonstrou uma pesquisa recente em um grande hospital em São Paulo.

2º) Espaço com poucos móveis e objetos. Um ambiente montessori possui poucos móveis e objetos, valorizando o espaço para o livre brincar, o que contribui, sobremaneira, para a segurança em razão da seleção criteriosa das peças.

Dessa forma, não há dúvidas de que a segurança do espaço é uma das premissas do método. Por isso, ao criar um quarto montessoriano, naturalmente a família deverá adotar medidas básicas de segurança de um ambiente infantil, tais como:

Proteger tomadas e fios

Proteger quinas pontiagudas

Colocar travas em armários e gavetas

Colocar protetores nas portas

Até ai, tudo certo. Ocorre que a atenção das famílias normalmente se concentra no quarto e o restante da casa é esquecido. Mas é importante ter em mente que uma hora o bebê crescerá, começará a engatinhar e, com mais firmeza e autonomia, naturalmente, começará a explorar outros espaços pela casa.

Nesse momento, o que teoricamente seria perfeito, na prática, pode se tornar um grande perigo, pois, não sendo uma “casa montessoriana” preparada, a exploração do espaço pode realmente comprometer a segurança do pequeno.

O que fazer então? Limitar a autonomia, limitando o espaço?  Mas essa limitação não é contrária ao método? Começam as dúvidas…

Segurança

Lembro até hoje da primeira reunião em que participei na escola montessoriana da minha filha.  Uma mãe, preocupada com a segurança de sua bebê, que começava a engatinhar, perguntava exatamente sobre como garantir a segurança do método e nunca mais esqueci a resposta dada pela diretora: “o ideal é que a criança viva em uma casa montessoriana, com uma família montessoriana, que entenda o método e proporcione a liberdade de exploração do espaço de forma segura. Mas nesse processo, até que a casa esteja preparada, antes de pensar no método, devemos sempre pensar na segurança da criança em primeiro lugar.” 

seguranca-do-bebe-engatinha-em-casa-toca-lola

E ela ainda acrescentou: – Mesmo em um ambiente preparado, o risco ainda existe. Imaginem que, na pressa, uma mãe esqueça seu perfume em cima da mesa de cabeceira do quarto. O bebê vê aquele frasco de perfume lindo e colorido ao seu alcance…

Agora pensem sob a perspectiva do bebê: o que ele fará?

Sim, O IMPULSO EXPLORATÓRIO faz parte da NATUREZA do bebê.- Achei genial essa resposta. Simples, mas muito esclarecedora.

Ter um bebê em casa- seja ela montessoriana ou não- é estar constantemente pensando em segurança e analisando o espaço. Afinal, ninguém quer ver o seu bebê engolir uma moeda ou se cortar com um frasco de vidro, não é?

Desse modo, ficar sempre atento à segurança é imprescindível! 

Portanto, a minha resposta para a pergunta da Thatiana é: só você poderá dar essa resposta ao analisar o seu espaço: Se a família ainda não tiver conseguido adaptar toda a casa para receber o bebê, sugiro que coloque sim o portão de segurança, limitando o espaço para a área em que a segurança estiver garantida.

Aos poucos, vá ampliando a área disponível da criança até que a família se sinta segura para retirá-la completamente, de modo que a criança possa explorar toda a casa com liberdade e autonomia.

Compartilhando a minha vivência

Com a minha filha, só coloquei portão de segurança na porta entre a sala e a cozinha. Certa de que cozinha não é lugar de criança, sempre tive pavor que ela se queimasse com algo no fogão ou que, por acaso, encontrasse uma faca pelo caminho.

Mesmo assim, ela tinha um fascínio pelo armário de panelas, e, sempre que alguém esquecia o portão aberto, lá estava ela batendo as tampas de panela no chão… kkkkk

Grade-para-porta-criana-segurança-toca-lola

Todo o projeto do meu apartamento foi feito enquanto eu estava grávida da Lorena, como já contei aqui.  Assim, consegui pensar em detalhes que facilitaram a segurança da minha pequena e propiciaram a autonomia que eu desejava no espaço. A escolha do tipo de piso, o tipo de tomadas, a distribuição dos cômodos, tudo isso foi pensado para favorecer a segurança e autonomia da Lô.

Mas um detalhe importante, que facilitou muito a autonomia da Lola no período noturno foi o uso de balizadores de luz no corredor dos quartos

balisadores-dimlux-toca-lola

Foto: Dimlux

À noite, deixávamos as portas dos quartos encostadas e os balizadores do corredor acessos, o que garantia a autonomia segura no espaço: Ela acordava e nem chorava. Guiada pela claridade, já vinha para o nosso quarto, pedia “mamá”, dormia, e eu a colocava de volta no quarto.

Eu ouvia o barulho da primeira porta abrindo, depois a segunda e já sabia que ela estava vindo. Eu ficava ficava quieta para saber qual seria a reação dela e era sempre a mesma: ela chegava quietinha do meu lado e pedia :”mamá!” Isso bem novinha, antes mesmo de um ano de idade. Era um barato ver tamanha autonomia com tanta tranquilidade. 🙂

Sem grades, mas com segurança

Se você não curte aquelas grades metálicas de segurança e busca uma outra opção mais lúdica, aqui vai uma ótima dica: uma proteção de pano pode ser uma ótima alternativa.

DIY-Custom-Fabric-Stair-Gate Aqui você encontra o passo-a-passo de como fazer essa proteção de tecido cheia de estilo! 🙂

E aÍ, gostou do post? Essas dicas foram úteis para você?

Marque as famílias com as quais gostaria de compartilhar este post.

Ah! e se gostou do post, não se esqueça de curtir, e de deixar os seus comentários.

Grande beijo!

Pri Guerreiro

2 Comentários

  1. ivana • em 21 de dezembro 2017

    Adorei as dicas! Encantada com o conteúdo do seu blog!Não consigo parar de ler..hehe.

Deixe seu comentário!

Toca Lola Club

Seja parte do Toca Lola Club: receba nossa newsletter e participe de promoções, dicas e eventos exclusivos!