24 maio 2017

Como planejar uma viagem com crianças

Café na Toca | Lifestyle | Na Toca com a Lola | Passeios e viagens com crianças

Como vocês já devem ter lido no post anterior, eu amo viajar e acredito que esse é um dos melhores investimentos que podemos fazer na vida!

Sou daquelas que planeja uma viagem com meses de antecedência só para ter o prazer de já começar a curtir a viagem bem antes dela começar. É quase uma gincana equacionar todas as possibilidades com as nossas necessidades para conseguir encontrar a programação ideal.

Dá um trabalhão, mas eu adoro! coracao-pretopngsemfundo-300x300

Com a chegada da Lola, as necessidades de planejamento para uma viagem se tornam ainda mais específicas. Assim, descobri que, quando se trata de viajar com os pequenos, mais do que uma escolha, um bom planejamento é essencial para minimizar os imprevistos e garantir que todos se divirtam e aproveitem a viagem da melhor forma.

20170513_072304-2-146x300

Mas antes de começarmos a falar sobre o assunto, a primeira notícia que eu preciso que te dar é que, assim como não existe uma fórmula para se criar filhos, não existe um formato ideal de viagem que se encaixe no perfil de todas as famílias.

Do mesmo modo, não existe definição quanto ao momento ideal para a criança começar a viajar, nem quanto ao melhor destino escolher; tudo vai depender do estilo de vida da sua família e de uma boa dose de intuição e de bom senso.

Mas é claro que boas dicas são sempre bem-vindas e devem ser compartilhadas. E é por isso que eu resolvi criar este post.  Espero que gostem! Prontos para embarcar?

1º Passo: Definir o orçamento, o destino e o período da viagem.

Pode parecer óbvio, mas o primeiro passo é definir quanto se pretende gastar.

Só assim, é possível escolher o destino e o período da viagem. Afinal, um mesmo destino, pode ter uma variação de preços de até 60% ao longo do ano. Por isso, a pesquisa é fundamental. Quanto maior a antecedência, maior a chance de conseguir preços atrativos, com bons descontos.

De preferência, programe a viagem com, no mínimo, três meses de antecedência. 

Além da questão econômica, a escolha do período ideal da sua viagem envolve ainda outras variáveis, tais como: conhecer as condições climáticas e os hábitos locais, bem como entender quais programações  mais se adaptam ao estilo e às necessidades da sua família.

Em nossa última viagem, que aconteceu no início de maio, por exemplo, optamos por Bariloche e gastamos cerca de 40% a menos do que se tivéssemos optado pelo mesmo destino em julho. Como estávamos com uma criança com menos de 3 anos e não tinhamos a intenção de esquiar, foi perfeito!

Os cerros tinham neve, mas ainda não dava nem para pensar em esquiar. Portanto, se tivéssemos escolhido esse destino pensando em curtir as incríveis estações de esqui da terra dos hermanos, a viagem teria sido frustante e a economia certamente não teria valido a pena.

Planejando com antecedência, você ainda te dará tempo suficiente para providenciar com calma a documentação da família, no caso de viagens para o exterior, e para fazer um planejamento com o pediatra quanto aos cuidados com a saúde da criança que se fizerem necessários antes e durante a viagem, tais como a indicação de vacinas e de possíveis medicamentos.

ATENÇÃO À DOCUMENTAÇÃO! Mesmo que não paguem passagem e sejam transportados no colo, bebês com menos de dois anos também precisam ter cartão de embarque para serem identificados pela companhia aérea. Do mesmo modo, também precisam de documento de identificação para entrar e sair do país:

EM VOOS NACIONAIS: é preciso apresentar documento de identidade (RG) ou certidão de nascimento original.

EM VOOS INTERNACIONAIS : Para toda a América do Sul (exceto Suriname e Guianas), é aceito o RG original em bom estado e com foto recente. Para todos os demais países, o passaporte é imprescindível, além do visto (quando exigido).

Maiores informações: Polícia Federal

2º Passo: A escolha do vôo

De um modo geral, crianças não combinam com longos períodos de vôo. Normalmente, quanto mais longa a viagem, maior grau de irritabilidade da criança. Por isso, procure escolher vôos diretos. 

Se possível, tente conciliar a escolha do vôo com o horário de sono da criança. No caso de trajetos longos, prefira os voos noturnos. Isso tornará a viagem mais tranquila e menos cansativa para todos.

20170513_050502-145x300

Caso a escala seja inevitável, avalie a possibilidade de pernoite no local para só continuar a viagem no dia seguinte. Lembre-se que vôos podem atrasar e sofrer alterações de horário, o que pode prolongar muito esse período de espera.

DICA QUENTE: Recentemente, descobri um site que está sendo muito bem indicado por vários blogs nessa busca pelas passagens baratas, chama-se : https://www.kiwi.com/br Claro que é preciso estar atento às armadilhas, tipo, escalas indesejáveis, horários ruins ou conexões com horários muito apertados. Mas se você estiver atento a tudo isso, pode sim encontrar passagens incríveis com preços super reduzidos.

coracao-pretopngsemfundo-300x300 Independentemente do tempo de duração, leve sempre brinquedos e algum dispositivo eletrônico com a programação favorita do seu pequeno para entretê-lo durante o vôo.

20170513_074101-300x146

20170513_080959-300x146

Algumas mães optam por apresentar um brinquedo novo, outras usam outra tática muito interessante: guardar o brinquedo favorito da criança na semana que antecede o vôo e só apresentá-lo novamente no avião. A ideia com isso é aumentar o seu grau de interesse e, consequentemente, o tempo de distração.

coracao-pretopngsemfundo-300x300 Os efeitos das diferenças de pressão dentro da cabine durante pousos e decolagens podem realmente incomodar muito e até doer. Para minimizar esse problema, se a criança ainda mama, tente conciliar o horário de vôo com a hora de mamar. Se não, ofereça bebidas com canudo para estimular a sucção, o que ajudá a diminuir os efeitos de pressão.

coracao-pretopngsemfundo-300x300 Mala de mão: Prefira mochila em vez de bolsa para ficar com as mãos livres e, na hora de organizá-la, não se esqueça de considerar eventuais atrasos do vôo ou, ainda, a possibilidade de que a mala da criança seja extraviada.

Costumo levar os itens básicos para, ao menos, ter garantidas 5 trocas de roupas. Levo ainda casaco, remédios, brinquedos, alimentos, fralda de boca, um copo com tampa e uma manta. Essa manta, aliás, me acompanha durante toda a viagem. Além de aquecer, ela ajuda a acomodar mais confortavelmente a criança caso ela pegue no sono.

Mesmo que o vôo não seja longo, sugiro que leve sempre algum alimento de preferência da criança. Além de poder funcionar como mais uma opção de distração, é sempre bom lembrar que atrasos acontecem e que vocês pode ter que ficar mais tempo do que o previsto no aeroporto.

3º Passo: A escolha da hospedagem

Orçamento definido, destino escolhido,passagens compradas, é chegada a hora de estudar o local e ter uma ideia da programação que se deseja fazer para poder partir para a escolha do local de hospedagem.

São muitas as variáveis que podem influenciar essa escolha, mas selecionei algumas que podem te ajudar:

a) Hotel, apartamento ou flat? Para definir o formato e a estrutura do local de hospedagem, sugiro que avalie três pontos: o tempo que ficará no local, precisará elaborar algum tipo de refeição para a criança e a questão da segurança.

 

coracao-pretopngsemfundo-300x300 É recomendável pensar em quanto tempo se pretende ficar no espaço de hospedagem e quais as condições climáticas do local, a fim de identificar se necessita de algum tipo de estrutura de lazer para crianças. Quanto mais tempo ficar no espaço, mais necessidade de espaço e opções de distração terá.

Imagine um dia chuva em que você fique preso em um quarto de hotel sem opção de lazer com seu filho. E se essa chuva se prolongar por alguns dias?

Como ninguém quer ficar rezando para não chover, avalie a possibilidade de optar por um local com infraestrutura de lazer e, se possível com uma piscina aquecida para que os pequenos possam se divertir e gastar energia.

coracao-pretopngsemfundo-300x300 Quando se viaja com crianças, é sempre bom ter algum tipo de estrutura de cozinha disponível. Afinal, nem sempre é fácil encontrar nos restaurantes um menu saudável e que agrade os pequenos.

Em Bariloche, por exemplo, os cardápios giram em torno de massa, fondue ou parrilha (churrasco) com batata frita e é raro encontrar algum tipo de menu infantil. Só encontrei uma opção de sopa de legumes,- de abóbora e bem rala!- na cafeteria do Cerro Catedral e olhe lá!

Convenhamos que, apesar de deliciosas, essas não são as opções de menus mais saudáveis para uma criança, não?

coracao-pretopngsemfundo-300x300 Um aspecto SUPER IMPORTANTE mas que pouca gente pensa quando viaja é na segurança do espaço. Da mesma forma que você tem todo o cuidado com essa questão na sua casa, o espaço que irá acomodá-los também deverá ter. Afinal, quem garante que seu filho não terá a curiosidade de empurrar a cadeira e subir para ver a vista da janela e ter um risco de queda?

O quarto é alto? Qual a altura das janelas? Elas têm algum tipo de proteção? Recomendo que avalie e registre isso antes de decidir onde se hospedar.

Em locais frios fora do Brasil, de modo geral, os quartos não possuem refrigeração, só aquecimento. Assim, normalmente possuem amplas janelas que se abrem facilmente e não contam com  nenhum tipo de proteção.

Passei por uma situação dessa na última viagem e tive que pedir para mudar para um quarto sem vista, porém, com menos risco. Por isso, reforço: procure sempre se informar sobre a questão de segurança do local antes de fazer a reserva.

b) Para a escolha da localização da hospedagemmais afastada ou mais próxima de um grande centro?  Para essa análise, além de considerar todos dicas anteriormente apresentadas, sugiro que pense em como será a sua forma de deslocamento. Vai alugar um carro? Prefere fazer tudo andando e deseja realizar refeições e programas próximos ao local de hospedagem? Vai usar taxi ou transfer? Como será o seu deslocamento durante a programação?

Eu sou do tipo que ama viagens no melhor estilo “Johnnie walker” 🙂 .

Amo explorar o lugar, andar pelas ruas, observar as pessoas. Já meu marido, precisa de períodos maiores de descanso, assim como minha filha. Essa foi uma das razões de ter escolhido uma hospedagem bem no centrão de Bariloche na nossa última viagem. Dava para fazer tudo a pé enquanto eles descansavam no Hotel e foi ótimo!

4º Passo: Deslocamentos com a criança

Independentemente dos meios de deslocamento escolhidos, aqui vão dicas super importantes:

coracao-pretopngsemfundo-300x300 CARRINHO: Mesmo que a criança já ande e use pouco o usa carrinho, NÃO O ESQUEÇA! Ele é super útil e possui multi-funções que vão além da locomoção do seu filho durante a viagem pois serve como berço para acomodar quando a criança dorme durante o passeio e também ajuda a transportar bolsas,casacos, brinquedos e as mil coisas que toda família com crianças precisa transportar.20170513_062502-145x300

Se for visitar uma região fria ou chuvosa, não esqueça dos quebra-ventos removíveis, capas ou guarda-chuva.

Você pode despachar o  carrinho com a bagagem ou deixá-lo na porta da aeronave, se preferir. Sempre uso essa última opção, mas, em nossa última viagem,ao que parece, a equipe da LATAM o esqueceu no finger e ainda estamos esperando a sua localização e devolução. Assim, a partir dessa experiência, sugiro que sempre se certifique de qual dos membros da aeronave ficou responsável pelo carrinho.

coracao-pretopngsemfundo-300x300 SLING: Se você viaja com bebê e possui Sling ou algum similar, do tipo Ergobaby, é bom levá-lo também. Dependendo do lugar da viagem, nem sempre será possível se deslocar com um carrinho. Assim, é importante ter uma outra opção que auxilie o transporte e, ao mesmo tempo, deixe as mão livres.

coracao-pretopngsemfundo-300x300 CADEIRINHA DE AUTO: Se vai viajar de carro, alugado ou em serviços de transfer, nunca descuide da segurança. Alugue ou solicite a disponibilização da cadeirinha para as empresas, informando peso e idade das crianças. Normalmente não há dificuldade se o pedido é feito com antecedência.

5º Passo: Não se esqueça de você!

Não é porque você está viajando com crianças que só pode fazer programas direcionados a elas.  Como os pequenos possuem um horário de sono mais ou menos previsível, é possível se planejar para fazer algumas programações para os pais nesse período.

Como a Lola dorme por volta das 21 horas e não acorda fácil, é comum damos o jantar dela e só então sairmos para jantar no lugar de nossa preferência. Ela normalmente dorme no caminho. Olha o carrinho aí, gente!!

Outra dica legal é combinar com seu parceiro um horário livre para cada um, enquanto o outro toma conta da(s) criança(s). Assim, todo mundo fica feliz e consegue aproveitar a viagem!

Se você ainda está se preparando para a sua primeira viagem com crianças, já deu para perceber que realmente dá trabalho e requer planejamento e cuidados. Mas não se assuste! Eu posso te garantir que vale muito a pena. Confie no seu instinto e aproveite! Estar com as crianças por si só já é diversão garantida! favicon

E você? Costuma viajar com os seus pequenos? Compartilhe suas dicas conosco!

Um grande beijo!

Pri Guerreirofavicon

*PS: A LATAM entregou o carrinho ontem, dia 24/05,às 22:15h!, quase três dias após a nossa chegada. 

Deixe seu comentário!

Toca Lola Club

Seja parte do Toca Lola Club: receba nossa newsletter e participe de promoções, dicas e eventos exclusivos!