02 Janeiro 2018

Como escolher o mini-berço (co-sleeper) ?

Criando a sua Toca | Mobiliário | Planejando o espaço | Quarto Montessoriano

Berço, moisés, mini-berço ou co-sleeper? Onde o bebê deve dormir nos primeiros meses de vida?  Um dos posts de maior sucesso no blog é esse aqui, onde falo sobre a importância de usar um mini-berço (ou co-sleeper) nos primeiros meses do bebê, mesmo para as famílias que decidem adotar um quarto montessoriano para o seu pequeno.

Depois desse post, passei a receber muitas dúvidas sobre a escolha do mini-berço, como essa, da Thaís, que respondo no post de hoje:

”  (…) A minha intenção é, com toda certeza, ter um berço para deixá-la pertinho de mim nos primeiros meses de vida. A princípio tenho olhado alguns mini -berços, com a intenção de deixá-la nele até os 6 ou 7 meses, e depois sim usar a cama montessoriana. A questão é a medida dos mini berços: os colchões são de aproximadamente 40 cm de largura por 90 cm de altura. Será que esse tamanho ainda permite um bebê de 6 ou 7 meses? Será que não vale a pena comprar um berço tamanho padrão, ainda que eu deixe de usá-lo em 7 ou 8 meses, como você fez, mas para garantir pelo menos o conforto da minha florzinha até então? Ou arriscar o mini berço e talvez precisar colocá-la na cama montessoriana ainda por volta de 5 ou 6 meses? Também é um receio usar a caminha no chão muito cedo. Me ajuda com a sua experiência? ”

mini-berço-co-sleeper-toca-lola-1

Aqui temos uma das primeiras perguntas dos futuros pais: Berço, mini-berço ou os dois nos primeiros meses de vida? Nesse tema, como tudo que envolve a maternidade, existe muita diferença de opiniões. Vamos conversar sobre isso?

Como eu já expliquei aqui, o co-sleeper é um mini-berço que funciona como uma extensão da cama dos pais. Pais e bebê dormem juntos, sem os riscos de dormirem na mesma cama. Proporciona conforto, comodidade e segurança para os pais e o bebê. Como o bebê está do ladinho da cama da mãe, dependendo do modelo escolhido, ela nem precisará levantar no meio da madrugada para amamentar, o que é um conforto indiscutível, não é gente? 🙂

Contudo, os mini-berços foram criados como um espaço onde o bebê ficaria nos primeiros 3/4 meses de vida. Após esse período, já começando a sentar, os bebês iriam para o seu próprio berço.

Contudo, hoje em dia, conforme recomendação da Academia Americana de Pediatria (AAP) e a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), os bebês devem dormir no quarto dos pais, mas em seu próprio berço, pelo menos até os seis meses, para reduzir os riscos de mortalidade relacionados com o período de sono, como a síndrome da morte súbita do lactente (SMSL), como já falamos por aqui.

Além disso, muitas mães (como eu) são adeptas do Método Montessori para a criação do quarto dos seus pequenos. E, como já explicamos aqui, o quarto montessoriano não tem berço e o pequeno já dorme em sua própria cama, no nível do chão. Mas algumas mães não se sentem confortáveis de colocar um bebê de poucos meses dormindo sozinho e, por isso, desejam mantê-los em seu quarto pelo menos até os 6 a 8 meses.

Dessa forma, a dúvida apresentada por algumas leitoras é justamente o tamanho reduzido do berço e o seu uso por poucos meses… Será que vale a pena comprar um berço para usá-lo um pouco mais, até uns 8 meses com segurança?

A escolha do local ideal para os primeiros meses do bebê: 

Mas o que considerar na hora da escolha do local ideal para dormir? Para isso, é bom ter em mente o seguinte:

1- O moisés é aquele tipo de móvel em formato de cestinha ideal para os primeiros meses de vida do bebê, quando o corpo ainda não se sustenta sentado nem de pé, e é preciso que ele passe mais tempo deitado. Além disso, seu tamanho reduzido reduzido remete ao útero e traz aconchego. É prático e pode, inclusive ser transportado com facilidade, mantendo o conforto do bebê. Em geral os moisés costumam ser recomendados até os 3 meses  de vida. 

moisés-toca-lola

2- A partir daí, o moisés começa a ficar pequeno. Além do mais, a partir de 4 meses, o bebê começa a aprender a sentar, o que torna tudo mais perigoso. Inicialmente, a criança levanta a cabeça quando está de bruços. Depois disso, ela vai descobrir como se erguer com os braços esticados e o peito para cima, imitando uma flexão. Aos 5 meses, alguns bebês quase sentam sem ajuda. Os mini-berços são um pouco maiores e mais estáveis que o moisés, mas  se não tiverem a altura mínima de 60 cm a partir do estrado, seguem, basicamente, as mesmas restrições.

cama-compartilhada-toca-lola

3- A partir do momento em que o bebê começa a querer sentar, os riscos de queda são os mesmos tanto para o berço quanto para o mini-berço. Por isso, se deseja um mini-berço que seja mais durável, o ideal é que o estrado tenha regulagem de altura, assim como o berço.

mini-beco-co-sleeper-toca-lola-2-

mini-beco-co-sleeper-toca-lola-4

Os mini-berços ainda não possuem regulamentação específica pelo INMETRO. Por isso, vale relembrar algumas regras de segurança, recomendadas pelo órgão para os berços, como já falamos em um post específico aqui, :

coracao-pretopngsemfundo-300x300 Distância entre as grades: no máximo 6,5 cm, para evitar que a cabecinha, ombros ou mãos do bebê possam ficar presas;

coracao-pretopngsemfundo-300x300 Se o berço tiver rodinhas móveis: pelo menos duas delas têm que ser fixas ou conter travas;

coracao-pretopngsemfundo-300x300 Colchão: O colchão deve ser firme, de espuma, com densidade apropriada para crianças pequenas, o que para crianças até 3 anos é de D18. A partir dessa idade, é recomendada densidade D23; e

coracao-pretopngsemfundo-300x300 Laterais do berço:  A altura mínima é de 60cm, a partir do estrado, de modo que a criança não consiga se jogar por cima das grades laterais;

coracao-pretopngsemfundo-300x300 Laterais móveis: Seguindo relatos de acidentes e possível risco de sufocamente em bebês, os berços com grades que sobem e descem foram proibidos pelo Inmetro em 2016. 

4- Os mini-berços têm, em média 75 cm de comprimento. Por isso, se deseja um mini-berço que tenha uma vida útil maior, além da altura das laterais, é importante considerar ainda o crescimento do bebê. Para tanto, essa tabela pode te ajudar a ter uma boa noção na escolha do tamanho ideal para o seu mini-berço:

tabela-crescimento-0a12-toca-lola

Dessa forma, os mini-berços tradicionais, com laterais baixinhas e fixas são ideais até os 3 meses, 4, no máximo, para as sonecas diárias. Se deseja um mini-berço mais durável, é bom escolher um modelo com regulagem de altura do estrado e de um comprimento compatível com tamanho da criança.

A escolha do mini-berço em relação ao berço tradicional:

Vantagens:

1 – É mais confortável e mais cômodo para o recém-nascido, que, de forma geral, prefere os espaços pequenos por remeter ao útero materno.

2 – É mais fácil locomover, por ser menor. Se tiver rodinhas, então, melhor ainda!

3 – Como não é tão profundo como um berço, é mais cômodo na hora de pegar o bebê. Nossa coluna agradece! 🙂

Desvantagens:

1 – Torna-se pequeno em pouco tempo.

2 – Se não for um móvel multi- funcional, em pouco tempo será um objeto a mais para se desfazer.

3 – Quando o bebê começar a se sentar ou quiser engatinhar ele se torna perigoso, já que é menos profundo do que um berço.

A escolha do mini-berço da Antonella

Como vocês acompanham por aqui, estou grávida da Antonella, minha segunda filha. Quem segue o blog já sabe que o quarto dela será montessoriano, assim como o da minha primeira filha, Lorena. Assim, minha intenção é que ela durma no mini-berço até os 6/ 7 meses e, a partir daí, vá para o quartinho montessoriano dela; sem berço, é claro.

Nessas 18 semanas de gestação, fiz algumas pesquisas quanto aos modelos de mini-berço disponíveis no Brasil e, sinceramente, não encontrei nenhum que me permitisse tê-la comigo nesse período de forma segura, ou seja, atendendo a todos os critérios já comentados durante os 7 primeiros meses. Se alguém souber de algum, pode deixar nos comentários, tá?

Nesse caso, na falta de um mini- berço, como dito na dúvida encaminhada pela Thaís, um berço simples resolveria essa questão sim. Contudo, tenho uma cama King Size em padrão americano no quarto, ou seja, como ela é gigante, não me sobra espaço disponível para a alocação de um berço.

Dessa forma, aproveitei a oportunidade de um desapego que apareceu e comprei esse moisés, que me atenderá bem nos primeiros 3/4 meses.

mini-beco-co-sleeper-toca-lola-5

Eu sei… Mas e os próximos 3 meses?- vocês devem estar pensando. Ainda não resolvi… Aff…Na verdade, gosto de coisas com essa pegada retrô e me apaixonei pela simplicidade cesto de vime. Sou ariana, emocional e cheia de hormônios, né gente? Casa de ferreiro…  kkkk…

Fofuras à parte, deixando a emoção e a poesia um pouquinho de lado, usando o meu lado designer prático e funcional, estou pensando em desenhar um modelo que atenda a tudo o que busco e enviar para a produção em uma marcenaria. A questão apenas é que eu não acredito em mobiliários com prazo de vaidade. Assim, preciso pensar com mais calma em um modelo que seja multi-funcional, que acompanhe o crescimento do bebê e não se perca após esses primeiros meses de uso. Já tenho algumas ideias! É só encontrar um tempinho para pensar nisso com calma. Se rolar, prometo mostrar aqui para vocês, tá?

Aliás, por falar em tempinho, deixem eu explicar “de leve”, assim como quem não quer nada, o meu sumiço no blog nas últimas semanas… 🙂  Meu tempo livre está sendo totalmente dedicado ao processo de criação do quarto da Antonella. Está sendo uma delícia vivenciar esse processo novamente. Logo, logo, vou contar para vocês como está sendo tudo isso e mostrar como está ficando o quartinho montessoriano dela.

Mas hoje eu estava justamente pesquisando sobre o mini-berço, quando recebi mais um questionamento no blog sobre essa escolha. Por isso, decidi parar tudo e vir compartilhar com vocês um pouquinho da minha experiência nesse processo. Espero ter ajudado!

E aí, gostaram deste post?  Como resolveram ou vão resolver o dormir dos pequenos nos primeiros meses por aí? Alguma dica?? Compartilhem conosco! ah! e marquem as amigas que estão vivenciando esse processo, à espera de um baby! 🙂 

Grande beijo!

Pri Guerreiro

coracao-rosa-1.png.semfundo-4-1

2 Comentários

  1. Cris Maranhão • em 7 de Janeiro 2018

    Vim correndo ver se achava a solução do meu impasse mas o post é super recente rs não desenvolveu seu berço ainda… tinha o mesmo pensamento: do meu lado até 6 meses depois Caminha no chão massss: Meu menino tem 2 meses 4,300Kg e 56cm meu mini berço tem 90x45cm e já não o comporta bem na largura, ele já bate muito as mãozinhas já fiz até uma gambiarra com cobertor fofinho pra Que não se machuque enquanto espero o berço chegar (está bem preso não corre risco de ir para rosto). Não queria berço normal pois terá q ficar sozinho no quarto mas é muito bebê para caminha no chão😕tomara q traga um projeto legal que realmente acolha o bebê de forma segura até 6m.

    • Priscila Guerreiro • em 8 de Janeiro 2018

      Oi Cris!! Espero conseguir resolver esse nosso problema logo! 🙂 Obrigada pelo seu depoimento! É muito útil, principalmente para as mães de primeira viagem, entender as dúvidas de quem já está vivenciando a maternidade. Grande abraço e continue nos acompanhando aqui na Toca. Muita coisa bacana a caminho!! Aguarde! Bjs, Pri

Deixe seu comentário!

Toca Lola Club

Seja parte do Toca Lola Club: receba nossa newsletter e participe de promoções, dicas e eventos exclusivos!